Espaço da Saúde
Publicado em: 14 de dezembro de 2021

Hábitos de autocuidado para incluir na rotina

Cuidar da gente mesmo pode parecer um desafio em meio à rotina do dia a dia. Parece que somos atropelados pelas demandas do mundo, do trabalho, da família, e mal dá tempo para nós mesmos. Mas encontrar valor nas pausas que fazemos para nutrir nosso corpo e nossa mente traz enormes benefícios para vivermos com mais bem-estar físico e emocional.

Diante desse cenário de pandemia, é ainda mais importante se manter bem e saudável. O autocuidado nos convida a cultivar momentos de calma, relaxamento e bem-estar, refletindo sobre a saúde de forma integral: corpo, mente e espírito. Pode parecer difícil, mas a inclusão de pequenos hábitos na sua rotina pode fazer a diferença.

ALIMENTE-SE BEM

Alimentação e saúde andam de mãos dadas. Os exageros em certos grupos nutricionais e a falta de outros podem comprometer e debilitar sua saúde, impactando, consequentemente, a qualidade de vida.

TENHA UMA BOA NOITE DE SONO

Enquanto dormimos, nosso corpo fortalece o sistema imunológico, libera a secreção de hormônios e consolida a memória. Mais do que importante, diríamos que essa é uma atividade essencial para a saúde. O ideal é dormir de 6 a 8 horas por dia, sem interrupções.

FAÇA ATIVIDADE FÍSICA REGULARMENTE

Outro ponto importante é que as atividades físicas estimulam a produção e a liberação de endorfina, um hormônio que tem ação analgésica no corpo, o que ajuda a promover a sensação de bem-estar físico e mental. Além disso, ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares – pois reduz a tensão arterial e o colesterol –, no aumento de energia e melhora na qualidade do sono. Também ajuda no controle de peso e alivia o estresse.

SORRIA MAIS

A risada causa reações hormonais e diminui a concentração de hormônios relacionados ao estresse, como o cortisol, enquanto libera outros ligados ao bem-estar, como a dopamina, a serotonina e a endorfina. Estudos clínicos, inclusive, associam o riso a um menor risco de doenças vasculares, insuficiência cardíaca, asma, transtornos de ansiedade e a depressão, por exemplo.